Menu Paginas

terça-feira, 26 de abril de 2016

MERCADO APOSTA NO LADO POLÍTICO DE MEIRELLES

Henrique Meirelles no Exame Fórum em setembro de 201226/04/2016 - O mercado reage positivamente ao favoritismo de Henrique Meirelles para assumir a Fazenda em um eventual governo de Michel Temer.
Com carreira marcada por oito anos na presidência do Banco Central e postos de comandos em grandes grupos privados, Meirelles, na visão do mercado, poderia combinar duas condições vistas como indispensáveis para enfrentar os desafios atuais: preparo técnico e habilidade política. “Meirelles tem muito trânsito tanto no mercado quanto no meio político. Além disso, é respeitado lá fora, o que seria muito bom em um momento em que o Brasil precisa ganhar credibilidade”, diz Pablo Spyer, diretor da Mirae Asset Wealth Management. “Ele tem muito prestígio no exterior e o país precisa melhorar as expectativas, recuperar a confiança do investidor.” Como presidente do BC entre 2003 e 2010, Meirelles manteve a inflação na meta e a economia cresceu perto da média dos emergentes, um desempenho não repetido nos anos seguintes. Porém, não é apenas sua condição de gestor econômico ou financeiro que agrada o mercado. Meirelles “entende como Brasília funciona”, diz Edwin Gutierrez, chefe da área de dívida de países emergentes da Aberdeen em Londres. A falta de habilidade política foi uma das razões do insucesso do ex-ministro Joaquim Levy, segundo Gutierrez. “O Brasil agora precisa mais de um político do que um tecnocrata.” O executivo da Aberdeen admite que o novo ministro enfrentará um quadro complicado, mas vê a suposta ambição presidencial de Meirelles como uma motivação adicional. “Ele tem capacidade para colocar o navio no rumo e pavimentar o caminho para 2018, que é sua aspiração.” João Paulo de Gracia Corrêa, superintendente da SLW Corretora, considera positivos para o mercado tanto o nome de Meirelles quanto o de José Serra, tido como mais provável novo ministro da Educação e ainda no páreo para a Fazenda, segundo os jornais. No caso do tucano, contaria a favor o fato de poder sedimentar o apoio do PSDB, que tem se mostrado ainda arredio à ideia de apoiar o governo Temer, diz Corrêa. O melhor cenário para o mercado, diz Corrêa, seria Temer, além de anunciar uma equipe de alta credibilidade, conseguir que a mesma composição do Congresso que está apoiando o impeachment se transforme numa base sólida para aprovar as reformas. O pior cenário é o oposto disso: o novo governo enfrentar dificuldades políticas, sem apoio no Congresso e com forte oposição do PT. “Sabemos que precisamos de medidas duras para o país sair da crise", diz Corrêa. Spyer considera possível que, confirmada uma melhora do cenário político, o que passaria pela definição de uma equipe econômica de peso, o dólar possa cair para até R$ 3,00. Um cenário de euforia, contudo, depende de riscos externos, como os relacionados aos juros do Fed, saída do Reino Unido da União Europeia e dívida da China, não se concretizarem e de o governo brasileiro mostrar força para aprovar as reformas necessárias para conter o aumento da dívida, diz o diretor da Mirae. “Tudo o que o mercado vai querer ver no pós-impeachment é como o governo conseguirá aprovar as reformas.” Para o governo Temer, há dois cenários possíveis, diz Marcelo Mello, CEO da SulAmerica Investimentos. “Em um, com uma forte equipe econômica sendo realmente capaz de implementar medidas ortodoxas. No outro, com a nova equipe não conseguindo aprovar as medidas necessárias. Neste caso, os ativos brasileiros vão se depreciar”, diz Mello.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário